sábado, 5 de abril de 2014

pura ficção! #1

Lembro-me perfeitamente daquele tempo, tu lá estavas pronto para me amarrar a ti e não me deixar ir de qualquer maneira e eu, ingénua e imatura, pronta para cair na tua armadilha.
Tu lá vieste com as tuas falinhas mansas e cheio de amores e olhos brilhantes para mim e eu deixei-me ir, deixei-me levar para um mundo que eu não fazia ideia do que me tornaria.
Passaram-se meses e tu continuavas a dominar-me, fazias de mim o teu troféu que orgulhosamente erguias; sentias-te orgulhoso por me conseguires domar, por me teres na tua mão. E eu burra não percebia. 
As pessoas, essas, tentavam avisar-me do perigo que eu corria ao estar contigo ou deixar-me levar por ti - um ser inconsciente dos seus atos e palavras. Nunca foste opção para as outras e eu não percebia porquê! Afinal, tu, para mim, eras o melhor, aquele que me fazia sorrir de orelha a orelha... 
E os anos foram passando, os dias foram-se tornando mais negros para mim, já não havia alegria naquela relação, era monótona, igual, repetitiva. Tu tinhas tornado a vida a preto e branco. Não a tua, a minha. A tua continuava tão alegre como sempre - as outras vinham e iam, as festas eram rotina, as bebedeiras um motivo para me traíres... Fazias tudo quanto querias e ainda mo dizias, erguendo tudo isso, novamente, como troféus. E eu só queria que tudo parasse. 
As pessoas, essas, já se tinham ido. Perceberam que eu já não podia ser reerguida, que me tinha afundado de tal forma, que não havia maneira de sair dali, daquele mundo.
Mas o dia chegou, eu percebi que só não saía do sótão escuro e sombrio onde estava enfiada, se não quisesse. Sabia que eu conseguiria levantar-me sozinha e fazer-te pagar por todos os teus erros, por tudo aquilo que me fizeste sofrer, por todas as cicatrizes que tinha no corpo, na alma, na mente. Irias sofrer muito mais do que eu, muito mais do que alguma vez eu iria fazer sofrer alguém...
Tu mais uma vez percebeste a minha intenção e tentaste dominar-me, fazer-me parar e recuar. Mas era tarde demais, porque se eu sabia do que tu eras capaz, tu não fazias ideia daquilo que eu conseguiria fazer.
Chegou a derradeira noite, com o corpo a tremer, as pernas bambas e o coração aos pulos, eu iria fazê-lo. Nas veias não me circulava sangue, era puro nojo. Nojo daquilo que eu iria fazer, nojo da forma como o tinha de fazer e nojo de mim mesma por me arriscar tanto.
É exatamente isso que estás a pensar, eu tinha planeado tudo, estava pronta a entregar-me a ti com um único objetivo - fazer-te amar-me uma única vez na vida! Fiz-lo com o corpo suando repugnância, com a alma impura e suja. Mas fiz-lo, prometendo a mim mesma que isto seria o fim de anos de sofrimento, de angústia, de dor, de traições e mentiras.
No fim, deixei-te adormecer, deixei-te acreditar que aquele tinha sido a minha melhor noite; sabendo que para ti, era só mais uma que tu fazias feliz por uma noite. Mas deixei-te adormecer acreditando na minha inocência. Olhei para ti enquanto dormias e decidi que estava na hora. Saí para a rua, segui o caminho que estava marcado há muito na minha mente. Não parei de chorar, não podia fazê-lo, fazia parte de tudo o que estava comprometida a fazer para que pudesses parar. Percorria os caminhos, às duas horas da noite, de camisa de dormir, sem roupa interior, chorando como nunca. 
E finalmente cheguei a onde queria. Entrei e as pessoas olhavam-me com pena, com medo, com insegurança, com preocupação. Cheguei-me ao balcão e simplesmente disse:
- Ele violou-me!
Depois desmaiei. Não estava nos planos, não fazia parte do que estava há tanto tempo a ser pensado, mas aconteceu. 
Quando acordei já tinham feito todos os exames e a polícia, uma mulher, olhava-me com compreensão. Depois desse tempo todo, eu sabia que pouco faltava para tu sofresses...
Os tribunais, os advogados, os juízes, os meus pais, os teus, as outras... Todos me passaram à frente, mas só uma pessoa eu conseguia fixar na minha mente: tu! Queria destruir-te, queria que sentisses tanto arrependimento como aquele que eu provavelmente sinto por te ter conhecido, queria saber de ti e dizerem-me que querias morrer. Queria que o sentisses!
A sentença saiu «o réu terá de cumprir 18 anos de prisão e fica sujeito a pagar uma multa de 15 mil euros à vítima», como se eu quisesse o teu dinheiro para alguma coisa... Estavas preso e era isso que eu queria.

Passaram-se dois anos e gostava de saber como estás, como reagiste à minha visita esta tarde, como te sentes ao saber que tudo o que pensavas ser o teu futuro se desmoronou? Queria saber tudo isso e que à tarde não tivesses tido vergonha de me olhar nos olhos. Mas sabes que mais? É tarde demais para tudo isso. 
Lembraste quando eu te disse que tu não imaginavas sequer aquilo que eu era capaz de fazer? Eu estava a falar a sério. Tu não imaginas, nem mesmo agora, depois de estares aí dentro, aquilo que eu sou capaz de fazer.
Depois disto, posso ser presa, tal como tu. Mas pelo menos sei que a seguir a mim, não tiveste mais ninguém. E que a seguir a premir o gatilho, o amor da minha vida estará morto.

17 comentários:

  1. R: nisso tens razao! oh obrigada :D

    ResponderEliminar
  2. Bem, que criatividade. Escreves muito bem, e deixaste-me colada a ler!

    ResponderEliminar
  3. Woooooooooow! Que ficção bem imaginativaa.
    Gostei muito do que escreves-te :))

    r: obrigada querida, mas estamos com 100 gostos de diferença, bahh :(
    isso é mau :\
    adoras tu e eu :p a música conquistou-me! ✿

    ResponderEliminar
  4. Eu não li o título logo , então comecei a ler primeiro o texto , pensei que fosse mesmo realidade, até estava assustada. Uau , sinceramente, a-d-o-r-e-i !

    ResponderEliminar
  5. está lindo, mesmo!!!
    beijinho grande ♥

    http://naervilhadapolly.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  6. Eu não consegui , estava demasiado nervosa.

    R: Sim , pareceu mesmo real . Escreves muito bem , adorei sem dúvida.

    ResponderEliminar
  7. Adorei!
    Resposta: Não só consegue, como é :)

    ResponderEliminar
  8. r: temos sorte então :p ora ai concordo plenamente, basta mesmo ter a pele limpa! :)
    não desistimos, conseguimos 1.008 likes e mesmo assim houve perdemos com menos 51 likes do que outra rapariga :\
    de nada fofinhaa ♥♥

    ResponderEliminar
  9. Adorei ! adorei mesmo :')
    r: Estou a tentar ficar bem , mas ele tem de ir , ele tem de aproveitar esta oportunidade :)

    ResponderEliminar
  10. Como eu adorei ler "isto"! Adorei, mesmo!
    R: Rir é o melhor remédio <3

    ResponderEliminar
  11. Grande texto, parabéns :) R: Depois tens que o partilhar !

    ResponderEliminar
  12. adorei! :o

    r: obrigada pelas tuas palavras :')

    desculpa só ter agora tempinho para vir aqui :c

    ResponderEliminar